25 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

POLÍTICA Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019, 15:06 - A | A

Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019, 15h:06 - A | A

DELATOR

Justiça constata sociedade familiar envolvendo delator e nega recuperação judicial de construtora

Olhar Direto

A juíza Anglizey Solivan de Oliveira, da Primeira Vara Cível de Cuiabá, negou pedido de recuperação judicial da empresa Guizardi Junior Construtora e Incorporadora, com dívidas de R$ 6,5 milhões. Ficou constatado tentativa de recuperação cruzada com a Dínamo Construtora Ltda.


 
A Guizardi Junior Construtora e a Dínamo Construtora Ltda ocupam o mesmo espaço, possuem seus quadros societários pessoas da mesma família e desenvolvem o mesmo trabalho. A Dínamo, porém, está em recuperação judicial desde o ano de 2015.
 
Complicando ainda mais o contexto, a Guizardi Junior apresentou como principal credora justamente a Dínamo Construtora, com passivo de aproximadamente R$ 2,8 milhões, ou seja, 43,59% do montante apresentando no pedido de recuperação alvo de rejeição.
 
“No caso em análise, nada obstante inexista identidade na composição societária das empresas em questão, é incontestável que ambas possuem uma relação íntima e visceral, haja vista o compartilhamento dos equipamentos que integram os ativos da empresa mais antiga, além da totalidade das áreas que compreendem as sedes de ambas empresas que exercem idêntica atividade empresarial”, afirmou a magistrada.
 
O quadro societário da Guizardi Junior Construtora tem em sua formação Miguel Guizardi Júnior, pai de Giovani Belatto Guizardi, dono da Dínamo.

“Destarte, sob a ótica da consolidação substancial, as empresas em questão podem ser tidas como uma única, ainda que do ponto de vista formal sejam pessoas jurídicas distintas”, argumentou a magistrada de que indeferiu pedido de recuperação.
 
Giovani Guizardi é réu e delator premiado na Operação Rêmora, por fraudes na Secretaria de Educação de Mato Grosso.
 


A Operação Rêmora investigou esquema de fraudes em obras de reforma e construção de escolas que inicialmente estavam orçadas em R$ 56 milhões. Diversas empresas compunham, segundo o Ministério Público, cartel capaz de gerar favorecimentos e desvio de dinheiro público.


Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image