25 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

VARIEDADES Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019, 16:59 - A | A

Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019, 16h:59 - A | A

PESADELO DE COZINHA

Alto preço da produção inviabiliza ‘Pesadelo na Cozinha’ em Cuiabá; Jacquin está na cidade para aula-show

Olhar Conceito

A frase ‘Você é a vergonha da profission’, proferida pelo chef Erick Jacquin no episódio do ‘Pé de Fava’ no Pesadelo na Cozinha ganhou as mídias sociais nos últimos meses, elevando a audiência do programa e a popularidade do chef. Em Cuiabá, muita gente imagina como seria se Jacquin se deparasse com a realidade de alguns restaurantes locais. No entanto, o alto preço da produção inviabiliza a vinda da equipe para a capital mato-grossense. Jacquin veio a Cuiabá nesta segunda-feira (16) para uma aula-show, que será realizada a partir das 17h no Alphaville Buffet Premium. No horário de almoço, concedeu uma entrevista aos jornalistas no Varadero Bar & Bistrô.

 



Segundo o chef, para gravar um episódio de ‘Pesadelo na Cozinha’, leva-se uma semana. “É um programa que é muito caro. Para fazer um episódio de Masterchef são dos dias de gravação... O Masterchef precisa de mais gente, com certeza, a equipe é maior. Mas o ‘Pesadelo’ é um programa que custa muito dinheiro, então imagine, são cem pessoas mais ou menos que trabalham em cima... para vir cem pessoas aqui, com material, com tudo, durante uma semana, é muita coisa. Mas a gente gravou no Rio uma vez, eu gostei muito de mudar em pouco, de fazer em outro lugar, que não São Paulo”, afirmou.

 



O episódio do ‘Pé de Fava’, estabelecimento de Guarulhos, na grande São Paulo, foi ao ar na estreia da segunda temporada do programa, em agosto de 2019, mas só alguns meses depois que viralizou. Para o chef, foi tudo uma coincidência grande, principalmente pela frase célebre. “Essa palavra que eu falei, da ‘vergonha da profissao’, é que é uma verdade, que foi natural, não foi nada programado. Descobri o freezer, e depois descobri que eles desligavam o freezer a noite. Me chocou completamente. Nunca ia imaginar que uma pessoa poderia fazer isso”, lembra. Hoje, o restaurante segue funcionando e seguindo as dicas do chef.

Masterchef

Com seis edições de ‘Masterchef Brasil’, mais uma de Junior, três de profissionais e uma – atual – de ‘Revanche’, o Masterchef foi um dos primeiros realitys gastronômicos com mais audiência na televisão brasileira. Jacquin é um dos jurados desde a primeira edição, em 2014, e para ele o programa modificou a forma do brasileiro olhar para a cozinha.

“Ele é um programa mais cultural. E eu tenho certeza que o Masterchef mudou a vida das pessoas, a vida do brasileiro, o dia a dia. Cada terça-feira é uma festa em casa. O comprimento mais bonito que recebi foi uma menina que me parou e falou: graças a vocês, pela primeira vez eu vi meu pai cozinhando em casa. E agora meu pai cozinha em casa e a gente experimenta e dá uma nota. E com certeza, graças ao MasterChef, tem muita gente que investe em panelas, em frigideiras, e compra as coisas que não compraria antes, que não imaginava a necessidade”, afirma.



Além disso, para o chef, o programa também carrega o mérito de modificar o que ele clssifica como ‘defeito cultural’ do brasileiro: “Comer sempre a mesma coisa. Todo dia tem arroz, feijão, feijão, arroz, arroz, feijão, e uma proteína... poucas vezes tem peixe. Muito churrasco, muita farinha, muita farofa, e pronto. Carne, frango, frango, carne. Poucos legumes, pouca salada... e acho que com Masterchef as pessoas fizeram uma diversificação da comida, as pessoas aprenderam a comer coisas diferentes, graças ao competidor e graças ao Masterchef”.

Aula-show



A aula-show de Erick Jacquin, que acontece no final da tarde desta segunda-feira (16), é uma realização Moschen Experiences em parceria com o Centro Universitário de Várzea Grande (Univag). Ela contará, ainda, com a participação do consultor técnico do curso de Gastronomia da instituição, chef Fernando Mack, e será apresentada pelo professor João Carlos Caldeira.

Na ocasião, o chef vai ensinar a fazer ‘petit gateau’ – que ele mesmo batizou – e um pato com maçã e molho de laranja. “Muita gente me pediu para fazer o petit gateau, a sobremesa mais popular. E eu gosto do petit gateau porque eu que dei o nome, e hoje é a palavra francesa mais falada no Brasil. Antigamente era Je T’aime, mon amour, hoje é petit gateau. Mas muita gente fala petit gateau sem saber o que é. É um pequeno bolo. Ao mesmo tempo eu vou contar a história, vou falar porque que é um petit gateau, um pequeno bolo de chocolate quente, e mostrar que o petit geateau verdadeiro é de chocolate, não de doce de leite”, afirma.

 


Toda estrutura da cozinha do evento será montada pelo curso de Gastronomia do Univag, através da Cozinha Experimental, destaque na realização de eventos gastronômicos em Mato Grosso dentro e fora do campus.


Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image