25 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

POLÍTICA Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019, 09:34 - A | A

Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019, 09h:34 - A | A

40 % CONTRATOS

Após decreto, Prefeitura de Chapada dos Guimarães (MT) deve romper 40% dos contratos com servidores temporários

G1

Após um decreto que estabelece medidas de contenção de gastos, a Prefeitura de Chapada dos Guimarães, a 65 km de Cuiabá, deve rescindir pelo menos 40% dos contratos com servidores temporários. O decreto assinado pela prefeita Thelma de Oliveira (PSDB) foi publicado no dia 3 deste mês, no Diário Oficial dos Municípios.

A rescisão dos contratos deve ser feita de forma gradativa. De acordo com a prefeitura, os secretários têm até o dia 20 deste mês para indicar os contratos que não irão impactar diretamente no funcionamento de cada área.

Os serviços essenciais não devem ser afetados.

No decreto, a prefeita argumenta que existe a necessidade de contenção de despesas e restrições orçamentárias e financeiras para manter o equilíbrio das contas públicas e cumprir os limites fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

 
Medida visa manter o equilíbrio financeiro, segundo a prefeitura — Foto: Prefeitura de Chapada dos Guimarães

Medida visa manter o equilíbrio financeiro, segundo a prefeitura — Foto: Prefeitura de Chapada dos Guimarães

Segundo o documento, a revogação do Decreto nº 068/2019 pelos vereadores, em sessão realizada no dia 21 do mês passado, prejudicou objetivo do município de atingir o equilíbrio fiscal.

Para não prejudicar os alunos da rede municipal de ensino, a Secretaria Municipal de Educação deverá manter o seu funcionamento com uma quantidade mínima de servidores.

Ao término do ano letivo, todos os contratos temporários deverão ser rescindidos.

 

Polêmica do recesso

Em novembro, a Prefeitura de Chapada dos Guimarães decretou novo horário de funcionamento dos órgãos públicos, durante o recesso de fim de ano, a fim de reduzir as despesas. O decreto, no entanto, foi derrubado pelos vereadores.

A maioria dos parlamentares entendeu que o município recebe muitos visitantes nesta época do ano, além de moradores por temporada. O comércio também tem mais movimento. Com isso, os vereadores avaliaram que era preciso que o serviço público estivesse funcionando por completo.

 

Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image