25 de Maio de 2024

ENVIE SUA DENÚNCIA PARA REDAÇÃO

POLÍTICA Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019, 11:33 - A | A

Sexta-feira, 13 de Dezembro de 2019, 11h:33 - A | A

COLAPSO

Falta de fundo previdenciário e desrespeito à contribuição patronal: o colapso da aposentadoria em MT

Olhar Direto

A falta de um fundo específico para guardar os recursos para os servidores aposentados e a adequação de 22% da contribuição patronal, fato que não é respeitado pela maioria dos Poderes em MT, provocaram o colapso na Previdência do Estado, que hoje tem um déficit atuarial na casa de R$ 57 bilhões.



Segundo Lazaro da Cunha Amorim, auditor do Tribunal de Contas do Estado e membro do Conselho de Previdência, os poderes deveriam já estar com a contribuição patronal em 22%, coisa que apenas o Executivo e o Judiciário aplicam.

Além disso o auditor explicou que como os Poderes, incluindo o Executivo, não fizeram a lição de casa, montando um fundo para guardar todo o recurso arrecadado, o Estado entrará em colapso com um aumento da alíquota, penalizando os servidores, que passarão a pagar mais com a proposta do governo de Mauro Mendes (DEM), aprovada pelo Conselho de Previdência e que será votada na Assembleia Legislativa.

“Já era para os Poderes estarem pagando os 22% há muito tempo. O Tribunal de Justiça já faz isso recentemente, mas deveria estar fazendo há muito tempo. O percentual em questão [proposto pelo governo] irá refletir na Lei de Responsabilidade Fiscal e, se aplicar agora, como tem que ser, irá passar para 28%. Os Poderes vão ficar inviabilizados”, disse.

O Conselho de Previdência de Mato Grosso aprovou no início do mês a proposta que altera de 11% para 14% a alíquota de contribuição de servidores públicos do Executivo, do Legislativo, do Judiciário, do Ministério Público, Tribunal de Contas e Defensoria Pública. A mensagem já foi encaminhada para Assembleia Legislativa.

Essa alta reflete diretamente na contribuição patronal, que passaria de 22% para 28%.

O presidente do Sindicato dos Servidores Públicos da Saúde de Mato Grosso, Oscarlino Alves, representante do Fórum Sindical, afirmou que o Governo do Estado, com a alteração de 11% para 14%, irá massacrar a classe trabalhadora.


A não aprovação de uma reforma Previdenciária estadual pode levar Mato Grosso a ficar sem o Certificado de Regularidade Previdenciária e, consequentemente, impedido de receber financiamentos e transferências da União, entre outras vedações.


Comente esta notícia

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br). É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Jornal Centro-Oeste Popular (copopular.com.br) poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.


image